Skip to main content

Dominância em cães

Você já ouviu falar que os cães vivem em uma hierarquia de dominância, onde existe um líder alfa que manda em todos os outros membros da matilha? E que você precisa ser esse líder para que o seu cão te respeite e obedeça? Essa é uma teoria muito difundida, mas também muito questionada por estudiosos do comportamento canino. Será que ela é verdadeira ou apenas um mito? E quais são as consequências de acreditar nela para a convivência com o seu pet? Neste artigo, eu, João Cachorro, vou te explicar tudo sobre esse assunto. Vamos lá?

Dominância em cães: um mito que pode prejudicar o relacionamento com seu pet

O que é a teoria da dominância em cães?

A teoria da dominância em cães surgiu em 1970, a partir de um estudo realizado pelo biólogo David Mech, que observou o comportamento de lobos em cativeiro. Ele concluiu que os lobos disputavam os recursos disponíveis, como comida, água, abrigo e reprodução, por meio de brigas e agressividade. Ele também afirmou que os lobos mais fortes e dominantes eram os líderes da matilha, e que os mais fracos e submissos obedeciam aos seus comandos. Além disso, ele generalizou essa conclusão para os cães, alegando que eles também seguiam essa mesma estrutura hierárquica.

Essa teoria foi muito aceita e divulgada na época, e influenciou muitos adestradores e donos de cães a adotarem métodos baseados na dominância para educar e controlar os seus pets. Esses métodos consistiam em usar a força física, a intimidação, a punição e a restrição de recursos para mostrar ao cão quem era o líder e fazer com que ele se submetesse. Alguns exemplos desses métodos são:

  • Comer antes do cão, para mostrar que você tem prioridade nos recursos.
  • Não deixar o cão subir no sofá ou na cama, para mostrar que você tem o controle dos espaços.
  • Não deixar o cão puxar a guia ou andar na frente, para mostrar que você define o caminho e o ritmo.
  • Virar o cão de barriga para cima ou segurar o seu focinho, para mostrar que você tem o poder físico sobre ele.
  • Ignorar o cão quando ele pede atenção, para mostrar que você decide quando interagir com ele.

Esses métodos podem parecer eficazes em um primeiro momento, mas eles podem trazer muitos problemas para o bem-estar do cão e para o seu relacionamento com ele. Vamos ver por quê.

Dominância em cães: um mito que pode prejudicar o relacionamento com seu pet

Por que a teoria da dominância em cães é um mito?

A teoria da dominância em cães é um mito por vários motivos. Primeiro, porque ela se baseia em um estudo que foi feito com lobos em cativeiro, que não representam o comportamento natural dos lobos selvagens. Os lobos em cativeiro eram formados por indivíduos não relacionados, que foram forçados a viver juntos em um ambiente restrito e estressante, onde tinham que competir pelos recursos limitados. Isso gerou muitos conflitos e agressões entre eles, que não refletem a forma como os lobos se organizam na natureza.

Os lobos selvagens vivem em grupos familiares, onde existe uma cooperação e uma harmonia entre os membros. Eles não brigam pelo status de líder, mas sim pelo papel de reprodutor, que é determinado pela idade, pelo sexo e pela compatibilidade genética. Eles também não usam a violência para resolver os seus problemas, mas sim a comunicação e a negociação. Eles se respeitam e se protegem, e não se submetem uns aos outros.

Segundo, porque a teoria da dominância em cães ignora as diferenças entre os cães e os lobos. Os cães são descendentes dos lobos, mas eles passaram por um processo de domesticação que durou milhares de anos, e que modificou o seu comportamento, a sua aparência e a sua genética. Os cães se adaptaram para viver com os humanos, e desenvolveram habilidades sociais e cognitivas que os lobos não têm. Os cães também são mais diversificados e variados do que os lobos, tanto em termos de raça, de tamanho, de personalidade e de preferência.

Os cães não vivem em matilhas, mas sim em grupos sociais, que podem ser formados por outros cães, por humanos ou por outros animais. Eles não têm uma hierarquia fixa e rígida, mas sim uma dinâmica flexível e fluida, que depende do contexto, da situação e da relação entre os indivíduos. Eles não são motivados pela dominância, mas sim pelas suas necessidades, pelos seus interesses e pelos seus sentimentos. Eles não precisam de um líder alfa, mas sim de um amigo e de um parceiro.

11 1

Quais são as consequências de acreditar na teoria da dominância em cães?

Acreditar na teoria da dominância em cães pode trazer muitas consequências negativas para o seu relacionamento com o seu pet. Veja algumas delas:

  • Você pode prejudicar a confiança e o vínculo que você tem com o seu cão, ao invés de fortalecê-los. Ao usar métodos baseados na dominância, você pode fazer com que o seu cão tenha medo de você, e não respeito. Você pode gerar insegurança, ansiedade e estresse no seu cão, e não tranquilidade e equilíbrio. Você pode criar um clima de tensão e conflito entre vocês, e não de cooperação e harmonia.
  • Você pode comprometer a saúde física e mental do seu cão, ao invés de preservá-las. Ao usar métodos baseados na dominância, você pode causar dor, desconforto e lesões no seu cão, e não bem-estar e prazer. Você pode provocar comportamentos indesejados, como agressividade, medo, ansiedade, depressão, fobias e compulsões, e não comportamentos adequados, como calma, confiança, alegria e sociabilidade.
  • Você pode limitar o potencial e a personalidade do seu cão, ao invés de estimulá-los. Ao usar métodos baseados na dominância, você pode inibir a curiosidade, a criatividade e a inteligência do seu cão, e não incentivá-las. Você pode reprimir a expressão, a comunicação e a individualidade do seu cão, e não respeitá-las. Você pode impedir o desenvolvimento, a aprendizagem e a adaptação do seu cão, e não facilitá-los.
10 1

Como educar e conviver com o seu cão sem usar a teoria da dominância?

Se a teoria da dominância em cães é um mito, então como você deve educar e conviver com o seu cão? A resposta é simples: usando métodos baseados na ciência, na ética e no amor. Esses métodos são:

  • O reforço positivo, que consiste em recompensar os comportamentos que você quer que o seu cão repita, e ignorar os comportamentos que você quer que o seu cão evite. Assim, você estimula o seu cão a aprender e a se comportar de forma adequada, sem usar a força, a intimidação ou a punição. Você pode usar elogios, carinhos, brincadeiras, petiscos ou qualquer coisa que o seu cão goste como recompensa.
  • A socialização, que consiste em expor o seu cão a diferentes pessoas, animais, lugares, objetos, sons e situações, de forma gradual, segura e positiva. Assim, você ajuda o seu cão a se adaptar ao mundo, a se sentir confiante e a se relacionar bem com os outros, sem usar o isolamento, o medo ou a agressão. Você pode levar o seu cão para passear, brincar, interagir e explorar o ambiente, sempre respeitando o seu ritmo e o seu limite.
  • A comunicação, que consiste em entender e expressar as suas intenções, as suas emoções e as suas necessidades, de forma clara, coerente e respeitosa. Assim, você melhora o entendimento e a sintonia entre você e o seu cão, sem usar a confusão, a contradição ou a violência. Você pode observar a linguagem corporal, os sons e os sinais que o seu cão usa para se comunicar, e usar a sua voz, o seu olhar e os seus gestos para se comunicar com ele.
Dominância em cães: um mito que pode prejudicar o relacionamento com seu pet

Perguntas frequentes

O que fazer se o meu cão é dominante com outros cães?

Se o seu cão é dominante com outros cães, você deve evitar situações que possam gerar conflitos, como disputas por comida, brinquedos, espaço ou atenção. Você deve também socializar o seu cão desde filhote com outros cães de diferentes tamanhos, idades e sexos, para que ele aprenda a se comunicar e a respeitar os limites dos outros. Além disso, você deve ensinar o seu cão a obedecer aos seus comandos básicos, como sentar, ficar, vir e soltar, para que você possa controlar o seu comportamento e evitar brigas. Se o seu cão for muito agressivo ou desafiador, você deve procurar a ajuda de um profissional de adestramento ou de comportamento animal.

O que fazer se o meu cão é dominante comigo ou com outros membros da família? 

Se o seu cão é dominante com você ou com outros membros da família, você deve estabelecer regras claras e consistentes para o seu cão, e reforçá-las com recompensas positivas. Você deve também mostrar ao seu cão que você é o líder, e que você tem o controle dos recursos e das situações. Por exemplo, você deve comer antes do seu cão, e não deixar que ele coma da sua mão ou do seu prato. Você deve também definir os lugares onde o seu cão pode ou não pode ficar, e não deixar que ele suba no sofá ou na cama sem a sua permissão. Você deve também passear com o seu cão na guia, e não deixar que ele puxe ou ande na frente. Você deve também ignorar o seu cão quando ele pedir atenção de forma insistente, e só interagir com ele quando ele estiver calmo e relaxado. Se o seu cão for muito possessivo ou ciumento, você deve procurar a ajuda de um profissional de adestramento ou de comportamento animal.

Como posso saber se o meu cão é dominante ou submisso?

Para saber se o seu cão é dominante ou submisso, você deve observar a sua linguagem corporal e os seus sinais de comunicação. Um cão dominante costuma ter uma postura calma, mas firme, com a cabeça, o rabo e as orelhas erguidos, e o olhar direto e confiante. Um cão dominante também costuma marcar o seu território com urina ou fezes, e rosnar ou latir para outros cães ou pessoas que invadam o seu espaço ou desafiem a sua autoridade. Um cão submisso costuma ter uma postura baixa, com a cabeça, o rabo e as orelhas abaixados, e o olhar desviado e inseguro. Um cão submisso também costuma mostrar a barriga, lamber o focinho ou bocejar para demonstrar que não quer conflito ou que reconhece o outro como líder. Um cão submisso também costuma evitar o contato físico ou visual com outros cães ou pessoas que o intimidem ou o ameacem.

Conclusão

Usando esses métodos, você vai conseguir educar e conviver com o seu cão de forma saudável, feliz e harmoniosa. Você vai construir uma relação de amizade, de parceria e de confiança com o seu cão, e não de dominância, de submissão e de medo. Você vai respeitar o seu cão como ele é, e não tentar mudá-lo como você quer. Você vai amar o seu cão como ele merece, e não machucá-lo como ele não precisa.

Espero que você tenha gostado deste artigo, e que ele tenha te ajudado a entender melhor a verdade por trás dos mitos da dominância em cães. Se você quiser saber mais sobre esse assunto, eu recomendo que você leia os seguintes artigos:

Reconhecendo a Demência Canina: Sinais Iniciais e Cuidados

Como posso criar uma relação equilibrada de confiança e respeito com os cães?

Como os cães sentem as emoções dos donos?

Vídeos

Um abraço do seu amigo,

João Cachorro

João Cachorro

Sou João, um Caramelo sonhador com um quê de Pastor Alemão. Apaixonado por desvendar as alegrias caninas, aqui compartilho minhas aventuras e dicas para a vida pet. Entre uma brincadeira e outra, escrevo para ajudar você a entender melhor seu amigo de quatro patas. Junte-se a mim nessa jornada cheia de patas e corações felizes! 🐾 João